Primeiramente vamos falar um pouco sobre essa constatação que eu tive com o retorno no mundo gamer, eu sou um jovem senhor de 38 anos, onde iniciei minha vida gamer no Atari passando Phanton system, Mega-drive, Super Nintendo(sness) e assim iniciando a vida nos PCs, ganhando meu primeiro PC um 486 DX2, nessa época os jogos eram apenas de dois players pela limitação dos controles, onde se surgiu o competitivo virtual, o competitivo do “melhor da minha casa”, “melhor da minha rua”, “melhor da escola”, todos eram melhores de algum local, os churrascos ensolarados com piscina, foram trocados por uma molecada toda na sala com as gritarias e muitas vezes silencio de tensão em disputas acirradas, a competição era a verdadeira diversão.

Nessa época surgiram as casas de games, que futuramente se tornariam as conhecidas como LAN HOUSE, salões de todos os tamanhos com vários videogames e TVs, onde se pagava a hora jogada, fazendo assim a nova sensação da juventude, encontros da galera, jogatinas, campeonatos amadores para divertir a galera.

Com o tempo os PCs iam se popularizando e com a conexão de rede, ponto a ponto, podiam interligar PCs, no começo 2 ou 4, poucos até mesmo pela disponibilidade que cada jogo tinha para jogadores simultâneos, assim surgiram as LAN HOUSES, agora com games um pouco mais elaborados, pois dos famosos jogos de luta dos vídeo games que eram a sensação foram tomados por jogos de FPS, no caso os jogos de tiro, e os RTSs os jogos de estratégia, jogos esses que existem evolução até hoje, como o grande Quake, que trazia a jogabilidade incrível e automaticamente a competitividade e o inesquecível Warcraft II, onde se passavam horas criando mapas durante a semana, para finais de semana ir para LAN HOUSE, passar tardes e mais tardes jogando com os amigos criando fortalezas e jogos de horas.

Evoluindo como sempre veio a internet discada, a interação global, não tão global assim pela obvia distancia física impedindo o envio e recebimento instantâneo de dados, criando assim o dilema de todo gamer, o tão cruel e frustrante PING ou LAG, mas com essa tecnologia os games puderam evoluir na quantidade de jogadores simultâneos, podendo jogar 8, 12 … players, e a grande evolução do Quake World, onde o competitivo globalizou o surgimento do Starcraft, o jogo de estratégia que iniciou a grande supremacia coreana no mundo gamer competitivo.

Focarei no Starcraft pois foi onde mais vivenciei nessa época, o jogo tinha um servidor, hoje tão famoso, o battle.net, onde se conectava jogadores das 4 regiões do mundo, no nosso caso o servidor americano, logando no server, se tinha o chat, onde todo os jogadores interagiam, conversavam, combinavam partidas entre eles, e o surgimento dos grupinhos, os chamados de clans, criando assim a rivalidade saudável e as vezes não tão saudáveis assim, entre os players, o que gerou o grande avanço no competitivo e a verdadeira ligação de amizade online, amigos que se conviviam muitas vezes mais tempo junto do que com familiares, onde se conversavam sempre sobre tudo, duplas que se tornavam irmãos, clans que se tornavam família, a torcida por um membro do clan para conquistar a vitória era gigantesca e a comemoração do sucesso da vitória maior ainda e o consolo da derrota era realmente reconfortante a interação era dos seres humanos, dos na época nerds, pois o termo “gamer” é tão novo que não existia.

A dedicação que era necessária para se tornar um campeão, com a falta de material para se estudar estratégias e melhores formas de jogar eram supridas com horas de treinos e criatividade, a responsabilidade e honra que se tinha com seu clan, tornava muitas vezes a brincadeira de criança em fundamentos éticos que levariam para o resto da vida, onde como na geração de nossos avós e pais o nome era importante, os nomes virtuais, no caso os Nicks eram importantes, eram levados a sério, o mundo virtual era apenas uma extensão do mundo real, portanto os valores eram colocado em prática, tudo feito apenas por hobby e amor ao que fazia.

Anos se passaram e a evolução da internet, e dos jogos, o surgimento do Warcraft III, da mesma produtora do Starcraft, a Blizzard, com seu servidor renovado o battle.net, mesmo objetivo, players se conectarem para jogarem, os clans migrando do starcraft, ou criando novos, agora com a internet adsl podendo utilizar programas de conversa por voz, fazendo assim a interação muito mais intensa, onde grupos de amigos virtuais se conectavam e passavam o tempo todo conectado conversando, jogando, vivendo a vida juntos e ao mesmo tempo separados, a evolução do competitivo, a facilidade das viagens de avião podendo assim ser mais fácil a viagem para outros estados para grandes eventos de games, como a tão nostálgica WCG (World Cyber Games), que reunia os grandes. Nessa época houve o surgimento do CS 1.6 (Counter Strike) fazendo assim a grande tríade do competitivo eletrônico, CS, Warcraft III, Starcraft que eram os carros chefes do torneio, junto com o FIFA de vídeo game.

Essa interação de conhecer os amigos virtuais, o surgimento das redes sociais, a popularização das câmeras digitais, as famosas cybershot da sony, fez com que Nicks tivessem voz e rosto, criando assim um vínculo ainda maior.

Comunidades unidas por fóruns de discussões, materiais de apoio para jogar, mais intensidade, fazendo assim o início do competitivo oficial, o surgimento do e-sport, onde anos de treino poderiam ser retribuído simbolicamente com prêmios simples e viagens, mas o que mais valia, como diz a pirâmide de Maslow, a realização pessoal.

Dias e madrugadas se passavam e cada dia mais amizades se criavam, e as que já tinham se fortaleciam, a interação entre pessoas muitas vezes crescendo juntos, pois anos e anos convivendo, algumas vezes nas férias viajar para casa dos amigos virtuais que eram mais reais do que muito colegas da mesma rua, ou da escola.

Nesse meio tempo dos meus 25 anos a vida me direcionou para outros caminhos e sai do mundo gamer e adentrei para o mundo real, o mundo off-line, fiquei fora um pouco mais de uma década, perdendo a explosão do mundo gamer com o avanço constante da internet, jogos com acessos simultâneos de 32 pessoas e mais, a grande evolução do Warcraft onde se tornaria o WOW, o World of Warcraft, onde o mundo aberto onde players poderiam juntos, como um time de 40 pessoas invadir cavernas para lutar com monstros, ou infinitos players invadindo outro continente que outros players moravam, ou o surgimento do HALO, onde lutas armadas de infinitos players, Battle Field entre outros e o mundo competitivo individual ou dupla do Warcraft III, Starcraft, Starcraft II, foram tomados pelo dota, estilo MOBA, que com base nele veio o LOL, League of Legends, bem dizer o game mais jogado do mundo.

Após essa pausa da vida gamer, a vida da mesma forma que me direcionou para fora, me trouxe novamente para ele, eu perdido sem ter noção do que jogar, amizades perdidas no tempo, amizades que se tem o carinho como sempre, porem a convivência mudou, rotinas mudaram, famílias foram construídas, então tive o dilema de recomeçar uma vida virtual, com uma rápida pesquisa para saber sobre qual jogo era o maior em questão de comunidade, materiais de apoio, competitivo descobri esse tal de LOL, e me adentrei a uns 2 anos.

O choque de realidade, por mais que eu já esteja com idade avançada para o mundo gamer, o que na minha opinião não existe, pois eu sou da primeira geração gamer, logo obviamente serei a primeira geração adulta, velha.

Pois bem achei o material, descobri o mundo dos stremers que é a sensação do momento, campeonatos multimilionários, jogadores profissionais ganhando fortunas, patrocínios estruturas incríveis, comunidades gigantescas, fóruns foram tomados por vídeos de youtube, blogs se tornaram aplicativos de estatísticas de potenciais estratégias, itens e formas de jogo, redes sociais abarrotadas de pessoas, um mundo incrivelmente novo e fascinante.

Porem aqui entrou a grande frustração, que é o título do meu artigo. Não à geração gamer saudável hoje, se perdeu em algum momento nos valores, na honra, na responsabilidade, hoje o nick não vale nada, o respeito muito menos, hoje você joga com milhares de pessoas ao mesmo tempo, mas não se conquista uma amizade, em todo o tempo de jogo que tive, a única coisa que aprendi foi entrar no jogo de time que são 5 contra 5, e tiro a comunicação com comando /mute all, pois a única interação que se tem são toxidade, são pessoas se xingando se odiando, a dedicação que se tinha antigamente para se tornar bom, hoje se tornou transferir a culpa da derrota para seu colega de time, hoje você joga com uma pessoa, e muito provável nunca mais jogar com ela, pois Nicks são criados todos os dias, ninguém se apega a um legado, a uma construção de um patrimônio social, as partidas duram em torno de 1 hora, e ninguém está respeitando que se está estragando a partida de outras 9 pessoas e obrigando a ficarem presos na partida.

A solidão dos gamers de hoje se maquiam com os stremers, onde antes você passava o dia conversando sobre sua vida, sobre seus medos, conquistas, duvidas com seus amigos virtuais de jogatina, onde você conseguia passar o tempo de hobby com responsabilidade em agregar mais conhecimento, no caso conhecimento do jogo, em ser melhor, crescer como jogador e automaticamente como pessoa, hoje se tornou um desespero por atenção onde se paga por um carinho falso, onde se você passar 1 hora assistindo uma stream de algum famoso, o tanto de doações com frases e pensamentos que são um claro pedido de socorro, com doações “Obrigado por fazer meu dia mais feliz” , “Você me tirou da depressão”, “Já contei a historia que aconteceu comigo”, no desespero do stremer ler sua frase e você se sentir mais amado, sendo que muitas vezes chat de 12 mil pessoas, DOZE MIL PESSOAS, muitas vezes na mesma situação, onde poderiam interagir e se curar através da atenção sincera, conversa gostosa, jogar juntos, crescer como ser humano.

A ilusão da interação do chat entre o próprio chat é gigante, pois não é possível manter uma conversa em uma tela com 10 mil, ou mil pessoas falando ao mesmo tempo, muitas vezes floodando por atenção.

Todas as facilidades para interação e a grande enxurrada de informações ao meu ver causou uma overdose nas gerações mais novas, criando assim a inexistência de empatia com o próximo, hoje não se traz a vida real para a virtual, hoje você nasce virtual e o maleficio do virtual é a falta do que nos diferencia das máquinas que é o sentimento. O sentimento de respeito, sentimento de amor, sentimento de amizade, se colocar no lugar do outro.

E a incrível programação  de hoje que são os stremers, que eu adorei a inovação, principalmente por que os grandes jogos de hoje contem mais vídeos e historias do que muitos filmes, além de ser a oportunidade de se conhecer e vivenciar muitos games que você não tem a oportunidade de conhecer e jogar, um exemplo claro foi eu acompanhar o novo Spider Man, exclusivo de Playstation, onde consegui assistir o jogo completo sendo zerado por um stremer, ou muitas vezes acompanhar um stremer engraçado ou que você se identifica, porem ser apenas como antigamente se acompanhava uma novela, não o resumo da sua vida social, onde seu melhor amigo é o stremer X, amizade é uma via de mão dupla.

Portanto vejo hoje o mundo gamer totalmente solitário, o que é a pior solidão, pois é se sentir só no meio da multidão, onde a maior batalha de hoje da maioria das pessoas é a depressão que um grande agravante para o desenvolvimento dessa doença é a falsa ideia de estar interagindo com outros, mas simplesmente você está interagindo sozinho.

O multiplayer nunca foi tão singleplayer.

O mal é da geração atual, onde se deve ter muito mais atenção para reparar esse mal, muitas vezes simples em não se desenvolver, digo isso pois em alguns dias frustrado com o LOL, resolvi entrar no mundo que perdi o mundo do Warcraft, World of Warcraft, um jogo muito mais adulto, por vários motivos, é um jogo pago mensalmente, um jogo que nada mais é do que vivenciar uma aventura como se fosse um livro, onde as historias contatas por cada personagem que encontra no game, te faz imergir de verdade na história e a interação entre as pessoas é obrigatória pois existe comercio interno do jogo, você precisa achar pessoas para fazer missões impossíveis de se fazer sozinho, obrigando a ter respeito e sociabilidade que foi onde consegui encontrar um pouco da nostalgia que se tornou interagir com pessoas no mundo virtual e a faixa etária dos players no WOW é bem maior que a média do LOL.

Tentando reviver a nostalgia completa tentei jogar novamente também o Warcraft III, porem o jogo não evoluiu e a conexão é ruim, deixando o jogo muito lento e cansado, perdendo um pouco a vontade de jogar, já no Starcraft II, os jogadores são mais adultos também, por se tratar de um jogo de difícil jogabilidade, o que espanta a grande maioria dos gamers da juventude, o que me frustra incrivelmente, pois a dificuldade afastar as pessoas ainda mais do nicho gamer que é um derivado do nerd, onde uma de suas maiores qualidades é de brincar com a dificuldade, porem o material, a comunidade e competitivo é fraco onde não me cativou para voltar.

Assim continuo no tão estressante e frustrante lolzinho, onde jogo as vezes por jogar, mas consumo muito conteúdos externos, como ligas competitivas tanto nacionais como internacionais, muito conteúdo sobre as lores, histórias dos personagens onde se pode imergir muito, que é um hobby interessante, que me supre a falta da jogabilidade real com pessoas realmente pessoas e não seres virtuais sem o mínimo senso de sociabilidade.

E finalizo por aqui esse artigo em forma de desabafo sobre o desesperado pedido de socorro de nossos jovens gamers de hoje.